Infalibilidade – O carisma, a assistência divina, proveniente da autoridade de Cristo, através do qual o magistério da Igreja, o Papa e os Bispos em comunhão com ele, transmitem aos fiéis a verdadeira doutrina.

  • O Papa goza desta infalibilidade, como guardião da fé, na mais alta função a ele confiada como sucessor de Pedro quando fala ex-cathedra, na condição de pastor e doutor supremo, ao proclamar pontos da doutrina que concernem à fé e os costumes.
  • A Infalibilidade não é prerrogativa somente do Papa, mas também do Corpo Episcopal (Lumen Gentium, 25c).
  • Embora os Bispos não gozem individualmente dessa prerrogativa, a têm quando guardam a comunhão entre si e com o sucessor de Pedro e ensinam autenticamente sobre assuntos de fé e moral, e isto aparece mais claramente quando reunidos em Concílio ecumênico. a Infalibilidade foi proclamada pelo Papa Pio IX (1846-1878) e foi objeto das discussões do Conc. Vaticano I, iniciado em 1869 e interrompido em outubro de 1870 (CIC 891,2035).
  • Os decretos conciliares aprovados pelo Papa são infalíveis uma vez que que ele também é infalível extra-Concílio.

v. Colégio dos Apóstolos, Magistério, Primado de Pedro, Concílio.