Cinco Chagas de Jesus - Devoção - 1, O reavivamento da vida religiosa e da zelosa atividade de S. Bernardo e S. Francisco, nos séculos 12 e 13, juntamente com o entusiasmo dos Cruzados ao voltarem da Terra Santa, trouxeram um grande impulso à devoção à Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, particularmente às práticas devocionais em honra da suas Chagas. 2. Na Idade Média inúmeras e belíssimas orações feitas em honra à Santas Chagas, incluindo algumas atribuídas à Santa Clara de Assis, indulgenciadas em 21 de novembro de 1885, foram preservadas pela Igreja. 3. Santa Matilde e Santa Gertudres de Helfta foram devotas às Santas Chagas e, juntas com muitos Santos, recitavam diariamente uma oração em honra às 5.466 feridas, as quais de acordo com uma tradição medieval, foram infligidas a Jesus durante a sua Paixão. 4. No século 14 era costume, no sul da Alemanha, rezar quinze Pais Nosso a cada dia (e assim, durante os 365 dias do ano, rezava-se 5.475 vezes) em memória das Santas Chagas. 6. Havia nos Missais medievais, Missa especial em Honra das Chagas de Cristo, que se acreditava ter sido composta por S. João Evangelista e que teria sido revelada ao Papa Bonifácio II no ano 532. Era conhecida como “Missa de Ouro” e foi indulgenciada pelos Papas João XXII, em 1334, e Inocêncio VI, em 1362. 7. Em alguns lugares era costume soar o sino ao meio-dia, nas sextas-feiras, para lembrar aos fiéis que recitassem cinco Pais Nosso e cinco Aves Maria em honra às Santas Chagas de Jesus. 8. O Rosário Dominicano também promovia a devoção às Cinco Chagas, no qual as contas pequenas se dirigiam à Virgem Maria e as grandes, correspondentes ao Pai Nosso, eram colocadas em honra às Cinco Chagas de Jesus. Um outro Rosário das Cinco Chagas foi aprovado pela Santa Sé em 11 de agosto de 1823 e ratificado em 1851.