Simonia – Intenção deliberada, a tentação de supor que as realidades espirituais, os dons de Deus, possam ser adquiridas, compradas, e alguém possa ser possuidor exclusivo.

  • A palavra deriva de Simão, o mago que pretendia ‘adquirir’ os dons, carismas, concedidos aos apóstolos e aos batizados (At 8,9-24).
  • A Simonia inclui a compra, venda, compensação e troca de bens, ou dons, espirituais por bens temporais; a 'venda' de indulgências, estipêndios indevidos.
  • Em 1049 o Papa Leão IX condenou a simonia no Conc. de Reims e Mainz e no final do séc. X o comércio dos bens da Igreja, dos bispados e abadias, pelos grandes senhores religiosos, trouxe uma conseqüência negativa com a intervenção política na vida Igreja, na época do rei Oton III
  • Oton tentou reconstituir o Império Romano e se intitulou “Servidor dos apóstolos”; essa simonia foi combatida pelo Papa Gregório VII que em 1075 proibiu a investidura leiga (ordenação sacerdotal de leigos sem formação religiosa prévia) como medida para conter esse desvio.

v. Nicolaísmo.