Sacro Império Romano - lat Sacrum Imperium Romanum.

  • Antes do Concílio de Niceia, no ano de 325 d.C., os cristãos sofriam cruel perseguição pelo Império Romano e Isto se agravou sob o imperador Diocleciano, nos anos 245-316. O imperador pretendia impor a cultura pagã, tornando-a religião de Estado, entretanto sua política anticristã foi derrotada e abolida pelo sucessor, o imperador Constantino 1º entre 285-337.
  • Em junho de 325, o imperador Constantino interferiu no conflito eclesiástico e para pacificá-lo, convidou os bispos cristãos para um concílio em Nicéia, localidade próxima da atual Istambul.
  • O objetivo desse encontro, com mais de 300 representantes, não era impor o cristianismo como religião estatal, mas sim estabelecer a paz religiosa e assim estabilizar o Império Romano, bem sucedido quanto aos direitos civis, militar e administrativamente, exceto no que e referia à religião.
  • Notícias positivas vieram para os seguidores da fé cristã quando, em fevereiro de 380 o imperador bizantino Teodósio 1º (347-395) promulgou o decreto declarando o cristianismo religião de Estado e expurgou o exercício de cultos romanos pagãos e pôs fim às perseguições aos cristãos.
  • A assinatura desse Decreto (Cunctos Populos) aconteceu em Tessalônica na presença do Imperador Valentiniano II, (371-382), do Ocidente, e do seu meio-irmão e co-regente, Graciano. Diante disto, este decreto confirmava a posição privilegiada do Cristianismo e ao fim do Império Romano se extinguiu o controle da igreja pelo Estado, no Ocidente.

V. Cesaropapismo.