Questão Religiosa - O golpe desferido contra Igreja no Brasil em 1872 com a prisão, julgamento e condenação a trabalhos forçados, de dois Bispos, em Olinda, PE, e em Belém, PA. Estes contrariavam a admissão e ingerência de maçons em irmandades religiosas e assim contrariava os interesses de D. Pedro II.

Seus antecedentes estão no séc. XVII, quando a Igreja católica no Brasil colônia estava submissa ao rei e controlada pelo “padroado”, a Mesa da Consciência e Ordens, vinculada ao colonialismo e à manutenção da escravidão condenada pelo Papa Pio II em 1462 e revigorada pelos Papas Paulo III em 1537 e Urbano VIII em 1639.

Após a Independência do Brasil em 1822, apesar da ruptura dos laços com o reino de Portugal, D. Pedro I manteve como herança o regime do padroado, com o Império a tutelar a Igreja, e a Maçonaria que participou da organização do 1º governo imperial, da Regência e do 2º império, exercia forte influência política sobre o Imperador.

Em virtude dos conflitos regionais com os senhores de escravos, os padres Agostinianos foram expulsos da Bahia em 1824 e em 1830 foram expulsos de Pernambuco os carmelitas e os franciscanos capuchinhos.

Em 1855 uma lei votada pelo parlamento suprimiu os seminários de ordens religiosas mantendo somente os diocesanos refletia a intolerância contra a Igreja iniciada em 1759 com a expulsão dos jesuítas.