Natal – Natividade de Cristo, a mais importante festa do calendário cristão.

  • A data da comemoração do Natal em 25 de dezembro foi oficializada pelo Papa Júlio I no ano 336, introduzida antes do ano 354 por S. João Crisóstomo (347-407) na igreja de Antioquia e a seguir, nas igrejas de Jerusalém e Alexandria adotada definitivamente em 395.
  • Antes disto as Igrejas do Oriente o celebravam em 6 de Janeiro, junto com a Adoração dos Magos e o Batismo de Jesus.
  • A festa do Natal tem seu início ligado à festa pagã comemorada pelos romanos, sob o Imperador Aureliano, chamada Natalis solis invicti, o nascimento do sol invencível, nos últimos dias de dezembro, no solstício de inverno no hemisfério norte (época em que o Sol passa pela sua maior declinação boreal ou austral).
  • Os cristãos então ligaram essa festa à vida nova que Cristo trouxe com seu nascimento, o Sol da Justiça a brilhar e cristianizando essa festa começaram a celebrar o Die Natalis, origem do termo Natal.
  • Quando Jesus nasceu, o imperador romano era Otávio Augusto, (27aC.-14 dC.), fundador do império e quando foi crucificado Tibério era imperador (14-37), filho adotivo de Otávio Augusto.
  • Na liturgia da Igreja Católica o Tempo do Natal vai desde a Vigília do Natal até o Batismo do Senhor (data móvel).
  • Símbolos do Natal:

1. Guirlanda, do Advento, com quatro velas a serem acesas uma para cada domingo do Advento; 2. Presépio (criado em 1223 por S. Francisco de Assis); 3. Estrela do Natal; a árvore, um cipreste sempre verde símbolo da vida nova; sinos e velas natalinas.