Libri Vitae - lat. livro da vida.

  • Antigo registro dos vivos e mortos a serem lembrados nas missas, costume documentado na época carolíngia (de Carlos Magno, imperador dos francos e do Ocidente, séc. VIII-IX) e substituiu os antigos dípticos romanos (tabuinhas duplas, de cera, onde se inscreviam os nomes de doadores e benfeitores) e a seguir separou-se os nomes dos mortos.
  • Desde o séc. VII na Irlanda circulavam, como informação, rolos contendo os nomes dos mortos, entre mosteiros e comunidades.
  • Dessa tradição surgiu o registro dos vivos e mortos a serem lembrados nas missas.
  • Os monges do mosteiro de Cluny, França, deram importante contribuição para a manutenção dessa tradição através dos seus necrológios que registravam 40 a 50 nomes por dia.

v. Finados.