Jericó – Cidade da Palestina, a 23 quilômetros de Jerusalém, no vale do rio Jordão, no antigo reino de Judá, depois Judéia, na Palestina, geograficamente importante e ponto estratégico para a conquista de Canaã.

  • O AT se refere à Jericó como “a cidade das palmeiras”, um oásis vicejante (Jz 3,13). Nela ficava a primeira fortaleza que defendia a Terra Prometida e suas muralhas foram arrasadas após o famoso Cerco de sete dias feito sob o comando de Josué, sucessor de Moisés (Js 6, 1ss).
  • Os Evangelhos se referem à Jericó como portal de entrada para Jerusalém, com destaque para a cura do cego Bartimeu e a conversão de Zaqueu (Mt 20,29ss;Mc 10,46;Lc 18,38; 19,1ss).
  • Existiram três cidades com este nome ocupando, sucessivamente, locais na mesma vizinhança: a cidade em Canaã, destruída após a conquista por Josué,
  • A antiga Jericó, próxima à fonte, protegida pelo forte de Cipros e substituída por Herodes pela nova Jericó, onde ele morreu e a terceira, a cidade bizantina construída nos jardins da Fonte de Eliseu, importante Sé sufragânea de Cesaréia Marítima nos anos 325 a 800, onde hoje é Ribá.
  • Arqueólogos pesquisaram e concluíram que no acontecimento de Jericó um terremoto extraordinário ocorrido entre os anos 1250-1220 a.C., que corresponde à época do fato narrado no Livro de Josué.
  • Os pesquisadores se referem à Jericó como “a mais antiga cidade do mundo” com ruínas de casas com sete mil anos sob as camadas da Idade do Bronze, testemunhas da Idade da Pedra. Suas muralhas eram uma obra-prima de fortificação estratégica, com dois muros paralelos separados três a quatro metros um do outro, e cada um com a espessura de três metros e meio.