Escolástica, Escolasticismo – gr. scholatikos, der. scholazein, manter uma escola. 1. Filosofia aplicada à escola; o conjunto do ensinamento filosófico nas escolas e universidades medievais, a filosofia cristã dominante na Idade Média; 2. Filosofia aplicada à teologia, apoiada na tradição de Aristóteles e seu método do raciocínio indutivo que, entre outras idéias, em oposição ao Platonismo, valorizava mais a ciência do que a metafísica; 3. os mais notáveis filósofos e escritores escolásticos foram Duns Scotus (1270-1308); Alberto, o Grande (1193-1280), frade dominicano e mestre de S. Tomás de Aquino), com a apresentação racional dos sistemas de lógica, metafísica e teologia. v. Aristotelismo, Platonismo, Dialética, Summa Teológica.

  • O Escolasticismo teve seu inicio com Carlos Magno (742-814), rei dos francos e imperador do Ocidente, criador de escolas, teve seu período brilhante nos anos 1200-1300 e declinou após a morte de Duns Scotus e no início da Renascença.
  • Contudo o Papa Leão XIII (1878-1903) em sua Encíclica Aeterni Patris, Pai Eterno, de 1879, restaurou o estudo da Escolástica, especialmente o de S. Tomás Aquino, em todas as escolas católicas de ensino médio, também enfatizado por seu sucessor, Pio X (1903-1914).