Dormição – lat. Dormitio. Antiga celebração decretada no Oriente pelo imperador bizantino Maurício, no séc. VII; no mesmo século a festa da Dormitio (“passagem para a outra vida”) foi introduzida em Roma pelo Papa oriental, Sérgio I (688-701).

  • Ainda hoje essa solenidade é relembrada pela igreja Grega Ortodoxa em Jerusalém, que sai em procissão do Santo Sepulcro até a Gruta da Natividade onde celebra-se a solene liturgia da Dormição de Maria.
  • O “repouso” final da Virgem Maria sem a corrupção (decomposição) da carne, foi definido dogmaticamente por Pio XII em 1950 onde se destaca “Ela, por privilégio singular, não esteve sujeita à lei de permanecer na corrupção do sepulcro, nem teve de esperar a redenção de seu corpo só no fim do mundo”.
  • O termo Dormitio na Igreja Ortodoxa é aplicado no Tropário (tomo 1) da Festa da Dormição em 15 de agosto (na data em que a Igreja Latina comemora a Assunção de Maria), segundo o qual não ocorreu a morte da Mãe de Jesus, mas sim um profundo e eterno sono e diz: “No vosso parto guardastes a virgindade, na vossa dormição não deixaste o mundo, ó Mãe de Deus: fostes juntar-vos à fonte da vida (…)”.