Crucifixo (Cruz) de São Damião - hist. Um artista desconhecido, em Úmbria, Itália, no séc. XII, pintou esse singular ícone em pano colado sobre madeira, medindo 1,90 m de altura, por 1,20 de largura e 12 cm de espessura, riquíssimo em detalhes e significados, de cores vibrantes que relembra uma iluminura. 1. Provavelmente a obra foi feita para ser posta no altar da igreja de São Damião e através dela Jesus falou a S. Francisco de Assis: “Francisco, reconstrói a minha Igreja”. 2. Em 1257 as irmãs Clarissas deixaram a igreja de S. Damião e levaram a imagem para a igreja de São Jorge. 3. Esse crucifixo cuidadosamente conservado por 700 anos foi exposto ao público pela primeira vez, na semana Santa de 1957 sobre o novo altar da capela de São Jorge na Basílica de Santa Clara de Assis. v. OFM, Porciúncula, Iluminuras.

  1. Este crucifixo-ícone, de linhas retilíneas e formato não convencional - para permitir ao artista incluir os personagens presentes à Paixão de Nosso Senhor - mostra ao centro Cristo com a face serena, olhos abertos, sem a chaga em seu peito e um simples pano sobre o quadril. Acima de sua auréola um círculo vermelho representa a Ascensão do Senhor e sob ele a inscrição IHS Nazare Rex Iudeorum. Sbre este detalhe, na parte superior da cruz, num retângulo com dez anjos, se vê num semicírculo, a mão direita do Pai num gesto de benção; ornamentos caligráficos que podem significar uma videira mística (Jo 15,5) contornam o crucifixo.
  2. Abaixo do braço direito de Jesus estão, Maria Mãe de Jesus com um manto branco (vitória, purificação e boas obras) adornado com pedras preciosas (as graças do Espírito Santo) e veste purpúrea; a seu lado o apóstolo João com o manto rosa (sabedoria eterna), túnica branca e uma pequena figura do soldado romano, Longinus (Jo 19,28-30). Sob o braço esquerdo de Cristo estão Maria Madalena, Maria de Cléofas e o centurião de Cafarnaum (Lc 7,1-2) tendo ao seu lado o filho curado por Jesus (Jo 4,45-54).
  3. Sob os pés de Jesus estão seis santos desconhecidos, supondo-se que sejam os patronos da igreja de S. Damião e a figura de um galo; sob as duas mãos de Jesus se vêem grupos de anjos atônitos, gesticulando como em conversa.