Concordata – Antigo documento legal, um contrato de negociação política, entre dois poderes, das quais as mais célebres entre a Igreja e o Estado são:

  • A Concordata de Worms, firmada na Alemanha em 1122, entre o Papa Calisto II (1119-1124) e

* Henriquee V, colocou um fim na “Querela das Investiduras” (a disputa entre a Igreja e o império em torno da indicação dos bispos alemães) e à divisão do Papado. (Henrique IV havia indicado Guiberto, bispo de Ravena, para ocupar o trono papal, o antipapa, enquanto o verdadeiro Papa Gregório VII (1073-1085), eleito pelo Colégio dos Cardeais estava no exílio nos Alpes italianos, onde morreu após receber o pedido de perdão do rei Henrique IV.

  • A de Portugal, chamada Concordata de 40 artigos, de 1289, assinada entre D. Diniz e o Papa Nicolau IV; 3. A Concordata assinada entre o imperador Napoleão I e Pio VII, em 1801, regulou as relações da Santa Sé com o estado francês.

v. Poder Temporal/Espiritual, Querela das Investiduras.