Basílica de S. Pedro - A monumental e mais conhecida obra arquitetônica sagrada conhecida no mundo.

  • Com uma área de 50 mil metros quadrados e 132 metros de altura (na cruz sobre a lanterna da cúpula) o modesto Santuário do Príncipe dos Apóstolos tornou-se magnífica Basílica sob o Imperador Constantino no ano 323 e ainda estava incompleto por ocasião de sua morte em 337.
  • A Basílica se localiza onde funcionou o Circo romano, na época de Nero, palco de inúmeros martírios de cristãos (Tácito, Anais, XV,44) e o local exato onde s. Pedro foi crucificado; nesse circo, foi preservado através dos séculos e na atual Basílica e o seu túmulo (v. Confissão, confessio), está assinalado por um altar, no centro do grandioso templo.
  • Sua construção em forma de cruz foi dividida em cinco naves em quatro fileiras, com vinte e duas colunas cada uma e logo surgiu a necessidade de se construir uma palácio próximo à Basílica no qual o Papa pudesse receber os visitantes e peregrinos.
  • Em 847, após os sarracenos pilharem a Basílica de S. Pedro e todos os demais santuários em Roma o Papa Leão IV decidiu cercar toda a região com uma forte muralha e torres a intervalos, duas das quais se encontram preservadas nos jardins do Vaticano.
  • Devido a essa muralha, parte do Vaticano recebeu o nome de Civitas Leonina, Cidade Leonina, preservada até hoje. Decorreram-se doze séculos entre a construção original e a primeira demolição de uma importante parte da Basílica e a nova construção no início de 1450.
  • Abandonada durante o período em que o Papado esteve em Avignon (1378 a 1429; v. Cisma do Ocidente), no séc. XV, com a primeira Basílica beira da ruína, o Papa Nicolau V propôs a construção de uma nova estrutura sobre a construção de Constantino e pouco foi feito até a sua morte em 1455.
  • Seu sucessor Júlio II adotou o projeto e, em um concurso, o arquiteto Bramante foi vencedor e seus projetos originais, com colunas que suportariam a grande cúpula (domo) sobre uma igreja em forma de cruz grega, estão hoje preservados na Galeria Ufizzi em Florença.
  • Em 1506 Júlio II colocou a pedra fundamental da nova Basílica e em 1520 surgiu a polêmica sobre a sua forma em cruz grega ou latina, e em 1606, o Papa Paulo V decidiu pela cruz latina com uma fachada barroca.
  • Michelangelo Buonarroti assumiu a obra em 1548, mantendo o projeto de Bramante e o domo, obra genial e de insuperável beleza foi sendo erguido no centro da basílica, na interseção da cruz grega; com a morte, em 1564, do grande mestre, Giacomo della Porta continuou a sua construção.
  • Após um período de 176 anos, a partir de 1450, o Papa Urbano VIII, considerando a obra completada, em 18 de novembro de 1626 dedicou solenemente a Basílica, tal como hoje se encontra, exceto por alguns detalhes.
  • Esse santuário do Príncipe dos Apóstolos, o principal do Cristianismo ocidental, contém tesouros muito valiosos que cercam o túmulo de Pedro, centro de toda a estrutura da basílica.
  • Dentre os serviços litúrgicos ali realizados está uma celebração que não se oficia em nenhuma outra igreja do mundo, que é a Lavagem do Altar na Quinta-feira Santa, uma cerimônia impressionante que começa logo após as Matinas com a aspersão do altar Papal com óleo e vinho e depois uma grande procissão na qual o clero presente, simbolicamente, lava o altar.
  • A sacristia, a residência dos cônegos e a hospedaria papal de Santa Marta, são prédios anexos, ligados à Basílica por duas passarelas cobertas.
  • A majestosa Praça de S. Pedro, parte orgânica da Basílica, foi construída em 1667 por Bernini, de forma elíptica (lembra uma pinça, com as hastes ligadas às escadarias), exibe 248 colunas e 88 pilastras de mármore travertino, com corredores cobertos e sobre eles 162 imagens de Santos.
  • No centro dessa Praça está o conhecido Obelisco, sem hieroglifos, trazido de Heliópolis por Caio Calígula (37-41); pesa 360 toneladas, sua altura é de 254 metros e foi removido do antigo Circo ao local atual, em 1586.

v. Transena.