Acéldama - ar. hagel dema; gr. ´akeldamá, campo de sangue.

Citado em Mateus 27,3-10 o campo do Oleiro, ao sul do monte Sião, era um cemitério de estrangeiros, adquirido com o dinheiro (trinta moedas de prata, ou, 30 shekels, equivalente a 30 dólares) devolvido por Judas, tomado de remorsos por sua traição ao Senhor, aos príncipes dos sacerdotes e anciãos.

Citado nas profecias de Jeremias (18,2-12;32,2-15) e Zacarias (11,12-13), edse local também citado por S. Pedro em At 1,18-19.

Nesse lugar, no séc. XII, os Cruzados ergueram uma grande construção no lado sul do vale do Inom, atualmente em ruínas, e desde o séc. XVI tornou-se propriedade da Igreja Armênia, local onde eram sepultados peregrinos até o séc. XIX.